The Journalist | Capítulo 8 |

Começa um intenso tiroteio, quando homens de Castelamare chegam ao local.
Piter, Nathy e Elize, conseguem chegar ao lado de fora do complexo.
Elize reconhece o carro do irmão e sabe que ele está ali, ela sabe que ele vai entrar lá e acredita que poderia ser perigoso, sua vida poderia estar por um fio.
Ela agradece que Piter tenha ido a buscar, mas reitera que dali para frente ela precisa ir sozinha.
Ele fala para a moça que não ia a deixar, e que iriam sair dali juntos.
Poderiam esperar no carro, ligar para Yago, encontrar uma outra alternativa.

No complexo, Yago chega a onde estava Thor, e o ataca.
Depois de disparar um tiro na perna esquerda do bandido, e de lhe dar muitos chutes em diversas partes do corpo, o mafioso então fala.
“Achou que ia vir na minha cidade, mexer com a minha irmã e fugir de boa, seu merda?”
“Quem foi que te disse que essa cidade é sua Castelamare?”
“Acha que ela é de quem?
Sua, do merda do seu primo?
Isso te garanto que não é.
A cara do Murilo esfolada e você aí nos meus pés, prova só meu ponto de vista.”

Os homens de Yago entram no complexo e chegam junto dele, o tiroteio acaba e os seguranças de Thor estavam mortos.
“Ela não está aqui, procuramos em todo canto Sr.”
O telefone de Yago toca e ele vê o nome de Piter no chamador.
Ele não atende, e pergunta para Thor, onde estava a sua irmã.
Mas o bandido apenas sorri, não fala nada.
Ele o chuta uma vez mais e volta a perguntar, e Piter liga de novo.

“Mais que droga Piter, eu disse que estava ocupado.
O que quer tenha descoberto tem que esperar.”
“Calma Castelamare, calma.
Só quero te dizer que sua irmã está bem.”
“Do que está falando?”
“Eu estou com ela, do lado de fora do complexo.
Podem sair daí, ela está em segurança, confia em mim.”

Yago pede que um de seus homens vá do lado de fora, e que traga pra dentro Piter e a irmã, se tiverem lá.
Eles entram e ele fica impressionado e feliz, quando a vê.
“Não preciso mais de você.”
Fala para Thor, atirando 3 vezes na sua cabeça, espalhando massa encefálica por todo lado no galpão.

“Agora me expliquem, como é que isso aconteceu?”
“Eu percebi que tinha coisa errada, sou Jornalista.
Usei umas fontes para chegar a Elize, e vocês chegaram quando estávamos saindo.”
“Foi isso Elize?” Pergunta Castelamare um pouco desconfiado.
“Sim meu irmão foi exatamente isso.”
Yago abraça a irmã, pergunta se ela estava bem, e diz que iria a levar no hospital.
Elize fala que ta bem, que não fizeram nada com ela.
Yago agradece Piter mas pede que ele nunca mais faça isso, era muito perigoso se meter nesses negócios.
Nathy, fala que ele sempre gostou de brincar com o perigo, por isso virou Jornalista.
“Sim e é dos bons, Jornalista dos bons esse aqui.
Né parceiro?”
Fala Castelamare, batendo nas costas de Piter.

Elize é levada para um dos carros, Castelamare ateia fogo no complexo de galpões.
Os homens do mafioso vão embora, e Piter e Nathy também.
Na porta da casa do Jornalista, ela pergunta a ele o que fará a respeito daquela noite, e ele fala que por hora nada.
Amanhã talvez, tivesse um assunto mais importante para se preocupar.
Nathy pergunta se finalmente ia tomar coragem para terminar com Jenifer, Piter pede que ela pare.
Então, ela diz que lamenta, ele a agradece pela ajuda e ela fala que ele sabe, pode sempre telefonar.
Eles se despedem, Nathy vai embora.
Piter entra em casa, e Elize o liga.
Era uma chamada de vídeo, e ele parece impressionado quando a vê.
Elize percebe e sorri para o rapaz.
“Eu não poderia deixar de dar boa noite para meu herói,
e saber se chegou bem em casa.”
“Estou bem e você?”
“Assustada mas logo vai passar, tomei um calmante e vou dormir bem.”
“E Yago?”
“resolvendo umas coisas.”

Na casa de Murilo, Yago chega para devolver Marília e a filha.
Murilo fica impressionado quando o vê.
“Elas vão sobreviver, você, já não diria o mesmo.
Em respeito a elas não vou meter uma bala na sua cara, e te darei 24h pra sair do meu país.”
“Oglopogos não é sua Yago, mete isso na sua cabeça.”
O mafioso saca arma.
“Paciência e bondade tem limites.”
Atira e o mata.
“Agora é o meu país.”

Na casa de Piter ele segue falando com Elize.
Mas parece um pouco quanto desconfortável com a chamada.
“Parece que não está muito feliz em me ver, ou seriam meus trajes?”
“Só não estou acostumado”, fala ele sorrindo.
“Você tem uma noiva, e nunca viu ela com um Babydoll?”
Fala ela sorrindo.
Piter mexe a cabeça em sinal negativo, e ela volta a sorrir.
Ergue a parte de cima da roupa.
“Assim pelo menos espero que tenha visto né?”
Mas não havia nada por baixo, apenas o corpo com os seios e a parte de cima a mostra.
Piter, fecha os olhos.
“Aposto que agora está me imaginando, imaginando a parte de baixo.
Por que não diz o que ta vendo, diz Piter!” Fala a moça num tom provocante.