The Journalist | Capítulo 7 |

Em casa fazendo pesquisas, Piter encontra mais informações sobre as anotações de Yago Castelamare.
Ele então decide falar com o mafioso, pois acredita que tem informações relevantes e suficientes para o que ele quer e busca.
Piter telefona para Yago, e fala que precisa o ver.
O mafioso diz que aquele não era um bom momento.
Ele diz que tinha informações sobre as anotações.
Yago pergunta se ele já descobriu algo relevante e ele diz que parece que sim.
Ele fala que poderiam ver isso no dia seguinte, naquela noite ele tinha um problema para resolver.

Pela voz de Yago, Piter percebe que ele estava aflito, nervoso.
Ele pergunta se Castelamare estava bem,
ele sorri e diz que ia ficar, só mais um dia na vida de um mafioso desgraçado, um problema pra ele resolver.
Piter pede que ele se acalme, seja lá o que fosse ele ia resolver.
Yago diz que era bom mesmo que resolvesse, não ia suportar perder outra pessoa importante na sua vida assim.
Piter pergunta se Elize está bem, e Yago fala que tem que desligar.

Piter percebe que o problema era exatamente Elize, tinha algo errado com a moça.
Ele liga para ela, mas o telefone só dá caixa de mensagem.
Ele fica preocupado, e pega um número anotado no computador.
Liga, e fala com alguém do outro lado da linha.
“Nathy oi, é o Piter.”
“Ah! Oi Piter.
Agora lembrou de mim, eu aposto que precisa de um favorzinho.”
“Perdão por não ter te ligado antes, as coisas estão um pouco complexas aqui.”
“Quando não estão não é mesmo?
Quando não estão.”
“Eu preciso de um favor, tem que ser agora.”
“Sim claro! Como eu imaginei.
Me usa e depois joga fora, depois vem me usar mais uma vez.”
“Por favor, agora não, isso não.”
“Tá bem, o que manda.”
“Pode rastrear o celular de alguém, se eu te der o número?”
“Uma mulher?”
“Por favor Nathy, só diz se pode ou não.”
“Piter eu sou uma Hacker, e das melhores de Oglopogos.
Eu posso rastrear qualquer coisa, até as calcinhas das suas ex, todas elas se quiser.
Te falo quantas já teve, quer?”
“Sem gracinhas Nathy, eu disse.”
“Me manda o número, rastreio e te ligo.”

Eles desligam o telefone e Piter manda o número por mensagem.
5 minutos depois, ela o manda uma mensagem dizendo que estava na sua porta.
Piter saí para fora, pergunta o que ela tava fazendo ali.
Nathy fala que rastreou o número.
“De todas as loucuras que te vi fazer, olha que não foram poucas,
essa é a mais louca.
Elize Castelamare Piter?”
“Então conseguiu achar?”
“Sim é claro, eu te disse que rastreio qualquer coisa.”
“Onde ta o telefone?”
“Pelo GPS, em algum lugar a uns 6 quilômetros daqui, olhei no mapa e parece um complexo de barracões abandonados.”
“Vou te dar outro número, quero que rastreie e veja, se está onde ela ta.”
“No que ta se metendo garoto?”
“To metido em coisa grande, Elize está em perigo eu acho.
Preciso ajuda-la Nathy, me ajuda vai.”
“Dá o número.”

A Hacker rastreia o celular, e diz que ele estava se movendo pelo centro, nem perto de onde estava o de Elize.
Piter então, pede que Nathy o dê o endereço do da moça.
“Vai atrás da mafiosa sozinho?
Bebeu?”
“O irmão dela é mafioso, ela não.
Eu vou atrás dela porque acho que ela ta com problemas.
E pelo que eu percebi quando falei com ele, ele sabe que ela tá com problemas, só não sabe onde ela tá.”

Eles entram no carro e Nathy dirige.
Ele parece preocupado.
“Não se preocupe, Jenifer está em casa dormindo, rastreei o telefone dela,
não queria ter um encontro desagradável com a sua noivinha imbecil.”
“Não fala assim Nathy, por favor.”
“Quando é que vai perceber que ela não é pra você, aposto que nem essa Elize.
Espero que não seja quando tiverem velhos, com uns 10 filhos correndo no quintal.
Se bem que pelo que eu conheço dela, se tiver meio filho vai ser muito.”
“Não dá pra se ter meio filho Nathy.”
“Pra ver como vai ser sua vida com ela.
Pula fora, já te disse isso antes.
Pula fora antes que seja tarde, é mais esperto e merece mais do que isso.”

O carro chega no complexo, Piter desce.
Pede que Nathy fique dentro do carro,
ela sorri, abre o compartimento do banco, pega uma arma.
“Pra que isso?”
“Acha que vai enfrentar bandidos na lábia meu bem?
Desculpa mas não vai, você não tem o que eu tenho.”
“Oi, não entendi.
O que é que tem que eu não tenho.”
“Cala essa boca e vem logo”, fala Nathy, descendo.

Eles entram no complexo, não havia muita vigilância e entram sem serem percebidos.
Enquanto isso, Yago chega no centro e se encontra com Mendonça.
“Cadê minha irmã?”
“Meu dinheiro, minha passagem, depois sua irmã.”
“Sua passagem ta aqui, pode embarcar e no avião tem uma mala de dinheiro te esperando,
sou de palavra, sou da máfia, não sou um traficante de merda.
A gente protege quem ama, mata com quem mexe com gente da família.”
“Eu sei, confio.
Vou te escrever o endereço pode ir lá, ou mandar os seus homens irem.
Vão achar o Thor.
Ele é o cara que ta com a Elize.
É primo do Murilão. Os pais dos dois, gerenciavam o tráfico juntos.
O pai do Thor foi preso, ta guardado até hoje, nunca vai sair.
O do Murilão, foi morto pelos caras da polícia, tiro no meio da testa num assalto a banco.”
“Bando de imbecil armadores.
Vou matar todos eles. Passa o endereço.”
Ele entrega o papel, e Yago entra no seu carro o ligando. Antes de sair, avisa.
“Mendonça, se tiver de caô pra cima de mim, te acho até no inferno, sabe disso né?”
“Sei, pode confiar chefe, pode confiar.”

Ele dirige em alta velocidade e chama seus homens para o encontrar no endereço.
O complexo onde Piter está.

Piter e Nathy, chegam ao barracão, único dos diversos com a luz acesa.
Eles entram com cautela, e Nathy vê Elize amarrada.
Ela caminha em direção a moça e a solta, tirando a mordaça da sua boca.
Ela vê Piter e se emociona.
“Piter, Piter”, fala o abraçando.
“tá bom, tá bom.
Depois dá pra ele garota, agora vamos sair daqui, antes que nos vejam e nós não vamos ficar pra contar historia.”
Elize, sorri, pergunta quem é ela, se era a namorada de Piter, ele responde que não, e dá outro sorriso.
“É eu não sou nada, só uma faz tudo que ele usa quando quer, ou precisa dar uma escapada.”
Ela ri, e elas caminham pra fora do complexo.
Mas, homens de Thor os veem, atiram e avisam que estavam fugindo.