The Journalist | Capítulo 1 |

The Journalist

Piter é um jovem como qualquer outro, mas com uma missão.

Decidir o seu futuro.

Ser médico como o pai e a mãe, ou ser jornalista como o avô foi.

Uma decisão difícil de se tomar, porque mexiam com duas coisas que ele gostava muito,

e que sua família também.

A escolha de um, eventualmente desagradaria o outro lado da família, mas ele sabia que se tratava de seu futuro, só ele poderia decidir.

Optou pelo Jornalismo e ingressou na sua universidade,

concluiu os estudos e formou-se com honra entre os primeiros da turma.

Mas, assim que terminou essa fase de sua vida, uma nova foi iniciada.

Conseguir um emprego não era tarefa fácil, ainda mais nos dias atuais.

Piter pensou em diversas formas de se destacar, e pediu emprego em muitos jornais de renome.

Que não o escutaram ou tinham muitos curriculum para analisar.

Piter sempre esperou, soube que quando surgisse a hora certa, seria chamado.

Nem antes, nem depois, na hora certa.

Quem acredita sempre alcança e o seu dia finalmente chegou.

Um Jornal de Oglopogos, que só tem edições Online, o acionou para um trabalho.

Era uma cobertura pequena, e temporária.

Mas se ele mostrasse a capacidade, acreditava ser contratado de forma permanente para atuar na empresa.

Piter estava confiante de que tudo ia dar certo, queria que seus pais tivessem a mesma confiança.

Mas eles estavam chateados pela escolha do filho em não ser médico,

não faziam questão nem uma em prestigiar aquele momento de sua carreira.

Já a sua noiva, Jenifer, também queria que ele seguisse os passos do pai, fosse um grande cirurgião.

Era até mais rentável que jornalista, ela sempre o dizia.

Mas Piter não estava nessa por dinheiro, porque se quisesse iria trabalhar num banco.

Jenifer apesar disso procurava estar a seu lado, mesmo não concordando com suas escolhas.

Foi com ele até a porta da empresa de trabalho, no 1º dia.

Eles se despediram e ela o desejou sorte.

Assim que ele entrou, ela foi embora, esperando para ver o que o esperava e o que ele a contaria em casa.

Na redação, a prática é diferente da teoria das aulas.

Piter chegou, se apresentou para seu editor responsável, e recebeu as pautas do dia.

Uma lista enorme de coisas que precisava fazer, antes de iniciar toda elaboração do trabalho que foi contratado.

Parecia muito, mas para Piter, motivado e disposto a se provar, não era.

Chegava perto das 13h, ele nem se quer parou para o almoço, quando entregou todo o trabalho pedido pelo editor, pronto.

O editor se surpreendeu, porque geralmente levavam quase todo o dia para fazer, e ele fez em tempo recorde.

Piter então, se afasta da redação e se senta para almoçar.

Em uma das mesas da lanchonete, observa uma moça que toma café.

A olha, e ela percebe que é observada.

Troca de olhares entre os dois, e um dos jornalistas da redação passa por ele e percebe o que estava acontecendo ali.

“Essa é Elize Castelamare, nem olhe pra ela.”

“Oi, não entendi.”

“Disse pra parar de olhar pra moça, se não quiser acabar morto.”

O rapaz se afasta e Piter fica pensativo.

Ele se levanta e passa pela mesa de Elize, esbarra na cadeira de propósito, para a pedir desculpas.

Ela diz que estava tudo bem, e ele pergunta se ela estava ali sozinha.

Ele estava a vendo sentada ali, um tempo.

Elize diz a ele que estava esperando o irmão, que estava em uma reunião por cerca de 3h.

Ele diz que era muito tempo, o que ela fazia enquanto esperava.

Elize diz que acompanhava movimentações de trabalho nas redes sociais, para atualiza-lo quando ele chegasse.

Logo 2 seguranças se aproximam, e perguntam a Elize se estava tudo bem.

Ela responde que sim, e finalmente seu irmão chega.

“O que está acontecendo aqui?”

“Nada irmão, só te esperando.”

“Cheguei, vamos, temos muito o que fazer.”

Eles se levantam e Elize saí, sem se quer ter a chance de despedir.

No caixa da lanchonete, Piter paga a conta do almoço e pergunta a atendente, se ela conhecia a moça.

“Elize, sim conheço, ela vem muito aqui com o irmão.

Yago Castelamare.

É um empresário e um dos grandes anunciantes do jornal.

Dizem por aí que faz parte da máfia italiana, mas é o que dizem, eu não sei.

Só nos pedem pra tomar cuidado com eles, atender bem, e não puxar assunto.”

“Se são perigosos, por que estão aqui?”

“Como eu disse, ele é empresário, é rentável para o jornal, ter boa relação com a família dele.”

Piter vai para a redação, onde se prepara para iniciar a segunda parte de seu dia.

Seu editor diz, que chegou um comentário na redação,

que ele estava de paquera com Elize Castelamare.

Ele fala que se conheceram mas que não rolou nada, era noivo.

O editor diz que era bom que continuasse assim, porque se não todos poderiam ter problemas, ele principalmente.

Piter faz uma pesquisa na internet sobre a família Castelamare, lê atentamente o que descobre, fica impressionado.