Pandemia – Governador volta atrás e mantém São Paulo sem novas restrições, mas anuncia medidas na economia

Por Guilherme Kalel e Nathália Mello, Do Informe Franca

17/03/2021 | 12h10

Atualizado | 14h10

O governador de São Paulo, João Doria, disse na manhã desta quarta-feira, 17, que a situação no estado piorou no relacionado ao combate da pandemia de Coronavírus.
Doria disse que, eram necessárias medidas mais restritivas no estado, num momento onde prevenir e se vacinar, são as únicas formas de se proteger de verdade contra o vírus.
Contudo, o governador acabou por não optar por novas restrições, após reuniões com o Centro de Contingenciamento da Covid-19.
O Comitê recomendou que Doria, esperasse mais alguns dias para se ter tempo de avaliar, as medidas no estado após a implementação da fase emergencial, que vigora desde 15 de março.

Alguns números mostrados hoje, mostram que as medidas começam a ser efetivas, apesar de os números não evoluírem de maneira tão satisfatória como desejava o governo.
O índice de usuários no transporte coletivo caiu, e outros índices diminuíram.
Mas o isolamento social, ainda é baixo no estado.
Doria usou boa parte da coletiva concedida hoje, para reforçar as pessoas que fiquem em casa.
Membros de seu governo e do Centro de Contingenciamento, fizeram o mesmo.

Apesar de não anunciar restrições, o governador fez importantes anúncios nas áreas de saúde e economia.
Confira a seguir quais foram eles.
1 – Vacinas
São Paulo vai antecipar a vacinação de idosos acima de 72 anos, a partir de 19 de março.
Antes essa vacinação começaria, em 29 deste mês.
Elas receberão a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan.

São Paulo é o estado do Brasil que mais aplica vacinas no país,
com mais de 4,1 milhões de doses aplicadas.
Deste total, 1,1 milhão de pessoas receberam duas doses.
Além de idosos, o estado começa a imunizar outros grupos prioritários.

O Butantan já entregou, 22,6 milhões de doses de vacinas ao governo federal.
Até 30 de abril, serão mais 46 milhões de doses entregues.

O governador de SP, cobrou o Ministério da Saúde, mais doses de vacinas prometidas e que até agora não chegaram.

2 – Economia
São Paulo reduz ICMS de carnes e zera o imposto do leite no estado.
No caso da carne, a redução será de 7%.
Os números reduzidos serão permanentes, e não por período.
O que deve baratear os produtos, a partir de 1º de abril, quando as medidas entram em vigor.

Ainda na Economia, o estado vai liberar uma linha de microcrédito de R$ 50 Milhões para Micro Empreendedores.
Que poderão fazer financiamentos em até 36 meses, com juros zero para créditos de até R$ 5000,00.

Os cortes de água e gás no estado estão suspensos,
e as dívidas deverão ser renegociadas com as concessionárias prestadoras dos serviços.
Débitos que foram negociados e não pagos, também poderão entrar em nova rodada de renegociações, parcelados em até 12 vezes.

3 – Saúde
São Paulo monta 16 hospitais de campanha para atender nessa nova fase da pandemia.
Contudo, os leitos continuam ficando lotados e Secretário pede que a população fique em casa.
Comitê do Contingenciamento da Covid-19, reforça pedidos para que a população respeite o isolamento social.
Hoje, menos de 44% das pessoas tem ficado nas suas casas.
O índice recomendado pelo estado é de 60% nesse momento.

São Paulo nunca enfrentou uma situação tão caótica como agora.
Existem em todo o estado, 1400 pessoas que precisam de leitos de UTI, mas não tem vagas.
Na segunda, a rede privada da capital paulista, chegou a pedir 30 leitos ao governo municipal, para internar pacientes no SUS.
Isso porque, a capacidade do setor privado, chegou ao extremo do limite.

A ocupação das UTIs no estado é de 90%.