Exclusivo – Mesmo com UTI na rede pública lotada, francanos não aprendem a lição e saem as ruas em meio a fase emergencial

Centro da cidade aberto e estabelecimentos desrespeitando regras sem fiscalização, marcam a quarta-feira

Por Mariana Maritan, Do Informe Franca

17/03/2021 | 18h12

A cidade de Franca ainda não divulgou os resultados de casos e mortes provocados pela Covid-19, nesta quarta-feira, 17.
Os mesmos são feitos no decorrer da noite, todos os dias.
Mas uma coisa não mudou de terça-feira para hoje.
A falta de consciência das pessoas, e o número de francanos que precisam de UTI.

Em marcas cada vez mais crescentes são pelo menos 4 pessoas agora, que estão no Pronto Socorro Municipal, esperando indicações a receberem vagas na UTI Covid.
Mas a cidade tem seus 52 leitos de atendimento ocupados.
Eles esperam por vagas e transporte, para serem levados a região.
E para isso dependem da Central de Regulação de Vagas do Estado de São Paulo, uma espera que parece eterna.

Mas enquanto muitos francanos lutam para viver e suas famílias estão desesperadas,
boa parte da população continua a viver fora da realidade.
Hoje foi mais um dia de movimentação no centro de Franca.
Desde que a fase emergencial começou, a maior parte das lojas estão fechadas na cidade, atendendo apenas Online, como manda o Decreto Estadual e o Municipal.
Mas isso não é uma unanimidade.
Há muitas lojas abertas, permitindo entrada do público.
Muitas lanchonetes e os serviços de casas lotéricas, que tem filas, funcionando.
Nada disso deveria estar operando na cidade nessa fase emergencial.
O que não tem sido respeitado.

Os resultados, hospitais cada vez mais lotados, internações e mortes que crescem.
Franca faz parte do caos e do colapso, que é vivenciado na maior parte do Brasil.