Colapso na saúde – Tabuão da Serra tem 11 mortes de pacientes a espera de UTI, Sumaré confirma pelo menos 3 óbitos

Por Guilherme Kalel e Nathália Mello, Do Informe Franca

09/03/2021 | 17h32

O estado de São Paulo continua de maneira dramática, aumentando os seus números de mortes e contaminados pela Covid-19.
Mesmo o estado estando em fase vermelha, a resistência de muitas cidades tem colocado a vida em 2º plano e isso tem cobrado seu preço mais tarde.
Em Tabuão da Serra, a Prefeitura confirmou nesta terça-feira, que 11 pessoas morreram, a espera de um leito em UTI.

A cidade não possue unidade de terapia intensiva para receber pacientes com Coronavírus,
e por esta forma depende de outros hospitais da região, receber seus doentes.
70 pessoas estão internadas em enfermaria, 30 delas em leitos improvisados.
Isso indica que um colapso está eminente.
O Município alega que há pelo menos 6 dias, vem enfrentando dificuldades de conseguir leitos em UTI na Central de Regulação de Vagas do estado, a chamada Cros.
A Secretária de Saúde disse que na última semana, 11 pessoas perderam suas vidas entubadas, esperando transferência.
Outras 12, estão em situação crítica na mesma indicação agora.
Nem na capital paulista nem na região metropolitana, há vagas para os receber.

A Secretaria de Saúde de SP, disse que vem gerenciando as vagas mas que não há falta delas.
Mas os números são contestados.

Em Sumaré, no interior, pelo menos 3 pessoas morreram nos últimos dias pela mesma motivação.
Eram pacientes que, esperavam por leitos que não existem no Município.
As 16 vagas existentes estão lotadas e não há previsão de que mais sejam abertas.
A situação segue dramática, também na rede particular de saúde.
O estado alega que 80% de seus leitos estão ocupados.
Na rede privada esse número é de 90% de ocupação.