Brasil registra mais 1699 óbitos por Coronavírus e rompe casa dos 260,9 mil

Por Guilherme Kalel, Nathália Mello e Mariana Novacki, Do Informe Franca

04/03/2021 | 18h48

O Brasil registrou nesta quinta-feira, 4, a 2ª maior marca de mortes diárias no país, durante a pandemia da Covid-19.
Hoje foram contabilizadas 1699 mortes provocadas pelo Coronavírus, com base em levantamento feito pelo Ministério da Saúde.
As informações vem das secretarias dos estados, conforme recebem os dados em seus sistemas dos hospitais e dos municípios.

O Brasil enfrenta um grave problema, que se acentua a cada dia mais.
Diversas cidades não tem mais leitos de UTI para receber pacientes.
E é grande o número de pessoas que esperam em filas, para serem levadas a outras regiões.
Infelizmente sem dar a atenção necessária ao problema o governo federal não tem atuado como se esperava.
Fica para os estados e os municípios se virarem como podem na pandemia.

O Brasil rompeu hoje a barreira dos 260,9 mil mortos com os novos números.
Os casos chegam a 10,7 milhões e destes, 9,6 milhões se curaram.
Mas o país não contabiliza um número muito importante nesta pandemia.
A quantidade de pessoas que ficaram sequeladas por conta da doença.
De cada 10 pessoas que acabam com o vírus, 6 precisam de internação.
Destas, 4 saem do hospital e precisam de suporte por sequelas.
Muitas que aparecem, só depois de 6 meses da manifestação do vírus e de sua cura.
Ainda é um mistério o que a doença faz no organismo das pessoas.

São Paulo, Minas Gerais e Bahia, são o estados que mais registram mortes e casos de Covid-19 no Brasil.
Os estados também intensificam suas vacinações mas não há dose suficiente para atender a toda população.
Enquanto isso o governo federal, segue fazendo política em cima dos números da pandemia.
Preferindo politizar a causa da vacina ao em vez de preservar vidas.

O Presidente Jair Bolsonaro continua negando os efeitos graves e catastróficos que o episódio tem feito ao Brasil.
Disse hoje que as pessoas precisam parar de chorar, para viver.
E que os governadores tem que encerrar a política do fecha tudo, e deixar as pessoas trabalharem.
Não faltaram críticas aos governadores, prefeitos que defendem fechamento, e aos jornalistas.