TCU aponta que gastos indevidos com Auxilio Emergencial chegaram a casa de R$ 54 Bilhões

Por Guilherme Kalel e Luara Pecker, Do Informe Franca

25/02/2021 | 7h23

O governo federal brasileiro, gastou no ano de 2020 a quantia de R$ 293 Bilhões, para bancar todas as parcelas do Auxilio Emergencial.
Foram pagas, 5 parcelas de R$ 600,00 e mais 3 de R$ 300,00 para 64 milhões de pessoas em todo o país, de abril a dezembro do ano passado.
Essas pessoas deveriam em tese, estar aptas a receber o programa.
Mas de fato muitas delas receberam de forma indevida.
Foi comum ver, que servidores por uma falha no sistema, conseguiram se cadastrar e passar a análise feita pelo governo federal.
Eles receberam indevidamente e tiveram que devolver os valores aos cofres públicos.
Militares também entraram na mesma situação.
Pessoas mais jovens que estavam entrando no serviço, receberam de maneira indevida e já devolveram os recursos.

A população de um modo convencional, também não ficou de fora.
O Auxilio foi burlado de diferentes formas e por diversas pessoas.
Das 64 milhões que receberam, 6 milhões de mulheres colocaram ser chefe de família para receber duas cotas do benefício.
Elas não eram e receberam de modo ilegal, e teriam que devolver uma das parcelas.
Em outra linha, 8 milhões de pessoas receberam o benefício sendo mais de duas pessoas por casa,
quando o permitido era no máximo 2 pessoas por família.
Isso quer dizer, que essas 8milhões de pessoas tem que devolver os valores recebidos amais.
O governo ainda não ainda não explicou, se devem devolver somente o terceiro membro que recebeu, ou todos os integrantes como forma de punição.

O Tribunal de Contas da União, divulgou as contas do Auxilio após análise em cada pagamento nesta quarta-feira, 24.
Pelo documento, o Brasil pagou, R$ 54 Bilhões indevidamente de Auxilio as pessoas.
E deste total, seriam possíveis bancar mais 3 parcelas do benefício no valor de R$ 300,00, se os números não tivessem sido desviados dos cofres públicos.

A Advogada Layla Moreira, explica que essas pessoas que receberam de forma indevida, tem dois caminhos a seguir agora.
O primeiro, imprimir uma guia de pagamentos e pagar o valor devido a União de volta, evitando assim ações judiciais.
O segundo, esperar serem convocadas pelo governo para que façam a devolução.
O terceiro, não responder e serem processadas judicialmente, e responderem criminalmente por seus atos.

A Polícia Federal, realizou ao longo de 2020 diversas operações contra fraudes no Auxilio.
Em 2021, as investigações ainda prosseguem.
Como são mais de 8 milhões de pagamentos indevidos, é possível que se levem até 3 anos, para que todos sejam identificados e punidos.
Mas todos o serão, aponta o Superintendente da PF.