LG pode vender divisão móvel para empresa do Vietnã

Por Luara Pecker e Alana Cury, Do Informe Franca

23/01/2021 | 6h

A fabricante sul-coreana LG, com prejuízos em sua linha de dispositivos móveis há pelo menos 5 anos, pode estar pensando em se desfazer do negócio.
Rumores contundentes na Coreia indicam que a empresa estaria negociando com uma fabricante vietnamita, a venda de seus ativos.

Se isso acontecesse, toda a divisão de dispositivos móveis da LG, seria comercializada para a Vingroup, 3ª maior fabricante de Smartphones de seu país.
Isso quer dizer que, em muitos países inclusive no Brasil, a LG deixaria de operar neste seguimento.

Em Taubaté, SP, a fábrica da empresa que hoje produz celulares e notebooks, além de monitores para computador, seria diretamente afetada.
Cerca de 1000 funcionários trabalham no local.

A notícia da venda tem circulado em grupos de mensagens de funcionários, e tirado o sono dos trabalhadores.
Em julho de 2019, a LG encerrou as atividades de produção de linha branca na cidade.
A fábrica que produzia refrigeradores, televisores e máquina de lavar, parou com essas produções.
Haviam 1500 trabalhadores na empresa na oportunidade, dos quais 500 foram demitidos.
Os 1000 restantes são os que hoje, trabalham na produção Móvel da indústria.

Em nota, o sindicato dos metalúrgicos de Taubaté, disse que há um estudo na LG para a venda, mas que por hora desconhece conclusões do mesmo.
O sindicato pediu reuniões com o CEO da empresa para tratar o tema, mas não obteve resposta.

Um e-mail que circulou entre funcionários vindo do CEO da marca, garante que a venda está em processo de conclusão.
E que as pessoas empregadas não perderiam seus postos de trabalho, porque a empresa adquirinte tinha interesse em manter as operações de trabalho no Brasil.
A Vingroup foi procurada pela Reportagem do Informe Franca para se manifestar.
Até a publicação desta reportagem, não haviam chegado respostas da empresa.
A LG, também foi procurada.
Mas também não respondeu aos questionamentos do Informe.
O espaço permanece aberto e esta reportagem será atualizada, se houver qualquer manifestação.