Paraná – Professores decretam greve e Estado adia retorno de aulas presenciais

Por Nathália Mello, Do Informe Franca

18/02/2021 | 7h30

O estado do Paraná deveria retomar suas aulas na rede estadual de ensino de forma presencial, com critérios de distanciamento, nesta quinta-feira, 18.
Mas o governo informou que houve uma mudança no calendário do ano letivo de 2021.
As aulas presenciais só serão retomadas a partir de 1º de março.
A mudança, que atrasa em duas semanas o regresso, é fruto da luta de professores que se mobilizaram contra a volta as aulas.

A categoria decretou estado de greve, se as aulas presenciais voltarem.
Os professores prometeram continuar com o ensino remoto, mas não irão as salas de aulas.
A justificativa é que, eles não foram vacinados tão pouco os estudantes.
Com isso o fluxo de circulação e contaminação mesmo com distanciamento, é autíssimo.
Outro fator apontado pela categoria, é a falta de equipamentos de proteção individual, conhecidos como Ipis, para todos.
Nas escolas não existem máscaras suficientes tão pouco álcool em gel.

Na tarde desta quarta-feira, em reunião Online, o Sindicato dos Professores do Paraná, decidiu que as aulas presenciais não serão aplicadas pela categoria.
Eles esperam convencer o governo estadual até março, da necessidade de se manter o isolamento e as aulas Online ao longo de todo o ano de 2021.
O movimento no Paraná, é similar ao feito por professores de São Paulo contra a volta as aulas.
Mas no estado paulista a greve não surtiu o efeito esperado.
80% da categoria parou suas atividades e o governador João Doria, mandou com que descontassem os dias parados dos professores.
Deste total de grevistas, 20% deles estão afastados ou pedindo afastamento, para não voltar as salas de aulas.

São 15% do professorado com afastamentos por licença prêmio, ou com outras férias vencidas e acumuladas agora tiradas.
5% se afastaram por motivos de saúde.