Brasil Mobile Accessibility – Confira os dispositivos mais acessíveis no Brasil

Por Mariana Novacki

Informe Franca – São Paulo 31/08/2020 | 9h42

Atualizado | 12h46

Aconteceu na cidade de São Paulo, na manhã desta segunda-feira, 31 de agosto, o Brasil Mobile Accessibility.
O evento de tecnologia, em parceria do Informe Franca e a A3 Oglos.

O objetivo foi criar uma lista, com os dispositivos mais acessíveis no mercado brasileiro, para deficientes visuais.
Diversas fabricantes participaram, e mais de 50 modelos foram testados.
Entre eles, os modelos criados pelo próprio A3, de tablets.

O evento começou as 9h05 desta manhã, e foi encerrado as 12h18.
Na abertura, a Coordenadora Administrativa do Informe Franca, Jornalista Lívia Tomazelli, falou da importância do evento para os invisuais.
Especialmente num momento de distanciamento, onde o digital está cada vez mais presente na vida das pessoas.

Nathália Valle, Executiva do A3, além de apresentar seus produtos, falou ainda da importância deste dia.
E que, deficientes visuais iriam usar as opiniões dos convidados, para que formassem as suas no quesito do que de fato é acessibilidade e o que não tem a mesma.

Muitas empresas que participaram, receberam toques de como melhorar sua autonomia.
Fluir melhor seus sistemas personalizados, de modo que rodem bem com os programas de leitores de telas para invisuais.

No começo do Brasil Mobile Accessibility, a primeira a se apresentar é uma das anfitriãs, A3 Oglos.
A empresa revelou e permitiu com que fosse tocado, o tablet Oglosmart.
Há duas variantes do dispositivo, Folder, mais completo e com custo maior,
e Compact, voltado para a educação, custando a partir de R$ 599,00.
Os dois modelos contam com a mesma personalização, o Android Oglos.
Que sofreu melhorias, na fluidez da acessibilidade.
Os dispositivos tem melhorias também na bateria, e programas específicos para facilitar a vida do deficiente visual, e de demais clientes que o adquirirem.

No Compact por exemplo, há uma gama de programas com o foco na educação,
do ensino básico ao superior.
São aplicativos que ensinam a melhorar a leitura, coordenação, além de outros programas que tem livros digitalizados para ler.
Ainda há um editor especial, que permite o usuário escrever e salvar em diferentes formatos.
O Oglosmart Compact, é um tablet feito para uso escolar.
Por isso não permite ligações telefônicas, apesar de rodar a tecnologia 4 e 5G.
Já o Oglosmart Folder, permite se fazer ligações.
Uma outra novidade dos tablets, é que ambos modelos acompanham um cabo OTG, um teclado Bluetooth, e fone Headset, do mesmo padrão.
Cada dispositivo tem autonomia de 6h de bateria e recarga rápida.
Os tablets por sua vez, prometem cargas de até 15h no uso pesado, e recarregamento em 60 minutos.
As especificações e preços de ambos, podem ser consultados no Site do A3 Oglos,
em a3.net.br
Ambos modelos são comercializados no Brasil, somente por encomenda.
Eles estarão disponíveis no mercado, a partir de 2 de setembro.

A Onor, aproveitou a oportunidade do evento, para lançar seu mais novo dispositivo, o Onorpad Empire Plus.
O dispositivo chega ao mercado com 1 TB de memória, câmeras de 64 e 32 MP com flash, tela de 10,5 polegadas.
Ele ainda tem bateria de 7000 MA, uma das maiores já propostas para um Tablet, e roda o Onor OS, sistema exclusivo da marca.
As suas especificações podem ser consultadas no site da fabricante, em onor.com.br
O tablet chega ao mercado custando, R$ 3299,00 e prometendo revolucionar o campo da tecnologia.

Além das novidades e lançamentos, a Motorola trouxe para o evento sua linha de dispositivos Moto G e One.
O destaque ficou por conta do One Hyper, por conta de sua fluidez com um Android mais puro, e a excelência do aparelho.
A linha G, se destacou com o G8 Plus, e o G9.
O dispositivo foi lançado somente na Índia, e deve levar um tempo para chegar ao Brasil,
mas os participantes do Brasil Mobile Accessibility, tiveram a oportunidade de testa-lo, e aprova-lo.

A TCL, apresentou 3 diferentes modelos, do mais básico ao avançado.
Na linha mais básica, a marca pecou na acessibilidade, recebendo sugestões para melhorar.
Nas linhas mais avançadas, o índice de aproveitamento foi de 50%.
O que quer dizer que dá pra usar, mas precisa de melhorias.

Surpresa
A grande surpresa da manhã, ficou por conta do Jornalista Guilherme Kalel,
que apareceu em vídeo para conversar com os participantes do evento.
Guilherme, falou por cerca de 20 minutos, direto de Franca.
O Jornalista, não tinha participação confirmada, por conta de problemas de saúde.
Mas, ele quebrou protocolos ao interromper testes para aparecer e falar com todos.

Guilherme falou sobre a importância do evento,
sobre a acessibilidade precisar estar presente na vida das empresas, porque agora mais que nunca, os invisuais precisam.
Ele fez questão de agradecer, as marcas que participam do Brasil Mobile Accessibility, e a A3 Oglos, que organizou e cedeu o espaço para a sua realização.
Guilherme também fez questão de agradecer, as integrantes do Informe, Lívia Tomazelli e esta Mariana Novacki, pelas participações.
Relembrou também a Jornalista Mariana Honorato, escalada para participar, mas que teve de ser substituída neste domingo ao ter diagnóstico de Covid-19.

Confira na lista a seguir, os dispositivos mais acessíveis e suas respectivas notas:
Tablets:
Oglosmart Folder e Compact – 100% acessível
Onorpad Empire Plus – 100% acessível
iPad – 100% acessível
Samsung Galaxy Tab A10 – 90% acessível
Samsung Galaxy Tab A8 – 80% acessível
Tablet DL – 0% acessível
Tablet Multilaser – 30% acessível

Smartphones:
Motorola – 100% de acessibilidade em todas as linhas apresentadas.
G8, G8 Play, G8 Plus, G9, One, One Macro, One Action, One Vision, One Hyper.
Apple – 95% de acessibilidade nas linhas apresentadas.
iPhones XR, 11, 11 Pro, SE.
Destes, os melhores desempenho vieram do SE e do XR.

Samsung – 88% de acessibilidade.
Galaxy Note 20, S10, S20, A10S, A20S, a30, A51, A71.
As críticas ficaram por conta do Voice Assistant, leitor de telas da Samsung, que não agradou aos invisuais, tendo a preferência por manter o Talkback, nativo do Android.
Mas que rodou com dificuldade no pesado Android da Samsung.

Xiaomi – 90% de acessibilidade.
Foram testadas a linha Redmi Note,
8, 8 Pro, 9, 9 Pro.
Mi A3, Mi A9.
Na interface original, os dispositivos apresentaram travamentos com o leitor Talcback.
Mas, após algumas modificações usando com o Android Oglos por exemplo, o aproveitamento chegou a bater 100% em alguns modelos.
Uma versão de testes do Talkback, também foi apresentada no evento de hoje, onde, rodou com melhorias os dispositivos.

Multilaser – 60% de acessibilidade
Os Smartphones da marca, travaram um pouco, e rodaram com dificuldade o Talkback.
Mas as linhas mais premiuns, tiveram melhores resultados.
Foram testados Multilaser G e H.

TCL – 50% de acessibilidade
Os Smartphones a marca, apresentaram desempenho utilizável, para tarefas simples.
Mas apresentaram travamentos ao rodar programas mais pesados.
Foram testados os 3 modelos mais recentes do mercado.

Quantum – 50% de acessibilidade.
Os Smartphones da marca, deixaram decair seu nível de acessibilidade.
Antes mais acessíveis, passaram a pecar, o que causou o rebaixamento diante a testes feitos hoje e no passado.
Foram testados Quantum V, SKY e L.

Huawei – 89% de acessibilidade.
Foram testados os modelos P40, P40 Pro, Huawei Onor e o Nova 5T.
Tendo este último apresentado o melhor resultado e desempenho, com a acessibilidade batendo 95%.

Participaram do evento as marcas:
Apple, Motorola, Samsung, Xiaomi, LG, Quantum, Multilaser, Asus, Onor, Huawei e TCL.
As que não foram descritas acima não apresentaram acessibilidade maior que 50%, e por isso não foram recomendadas.
É o caso por exemplo de Asus, LG.