Guedes tem até a tarde de hoje para apresentar desenho do Renda Brasil

Por Carolina Winter

Informe Franca – Brasília 28/08/2020 | 7h

Em meio a muitos vai e vens, o Ministro da Economia Paulo Guedes, com o cargo ameaçado, tem até a tarde desta sexta-feira, 28, para apresentar o desenho do Renda Brasil.
O Presidente Jair Bolsonaro, tem espaço na agenda para se reunir com membros da equipe técnica dos ministérios da Economia e Cidadania, para discutir a viabilidade da proposta
que deve ser apresentada.

Desde abril, o governo vem falando no Renda Brasil, que passou por diversos estudos mas não saiu do papel.
Na terça-feira, 25 de agosto, estava previsto que o programa fosse lançado.
Mas na véspera, Bolsonaro vetou o seu lançamento no dia seguinte, ao recusar a proposta apresentada por Paulo Guedes.
E o deu até esta sexta, 28, para apresentar um novo formato.

O Ministro da Economia tem um grande abacaxi nas mãos.
O novo programa social, deve substituir o Bolsa Família deixado pelo PT.
Hoje o programa paga em média, R$ 190,00 por família que recebe o benefício.
Guedes defende que esse valor, fique próximo de R$ 250,00 no Renda Brasil.
Mas é o primeiro ponto de discordância entre ele e o Presidente.
Bolsonaro só aceita um programa, que dê de R$ 300,00 para cima.
Para tentar chegar a este valor, Guedes propôs algumas medidas.
Fim das deduções com saúde no Imposto de Renda, o que liberaria R$ 15 Bilhões no Orçamento que deixam de ser arrecadados por ano.
O fim do Abono Salarial, no valor de um Salário Mínimo, e que é pago todos os anos ao trabalhador que tem carteira assinada, e que recebe até 2 salários mínimos por mês.
Fim do programa Farmácia Popular, para também liberar espaço no Orçamento.

Bolsonaro é contra se desfazer de programas, que ajudem as pessoas mais carentes.
Por isso disse a Guedes que não vai cortar o Abono, por exemplo.
O que liberaria R$ 20 Bilhões no Orçamento por ano.
O Ministro precisa apresentar um desenho, que permita a criação do programa, dentro do que quer Bolsonaro.
Para que o Presidente assine e envie ao Congresso.
A ideia é que o programa comece a vigorar como uma Medida Provisória.
E que atenda a pelo menos 20 milhões de pessoas.
Mais que as 14 milhões que hoje são atendidas pelo Bolsa Família.
Nesse cenário o Congresso teria 120 dias para analisar o Renda Brasil, votando-o e tornando lei.
Se não votarem a medida perderia a validade.

O Renda Brasil é visto pelo Presidente, como uma saída ao Auxilio Emergencial, que hoje vem sendo pago a trabalhadores informais na pandemia da Covid-19.
Bolsonaro espera a definição do programa social, para prorrogar o Auxilio.