Medida absurda – Governo do RS determina volta as aulas em 31 de agosto iniciando pela educação infantil

Por Mariana Monary

Informe Franca – 20/08/2020 | 7h

O governo do Rio Grande do Sul, adotou uma medida um tanto quanto desproporcional e até perigosa,
autorizando para 31 de agosto, a volta as aulas no estado.
De acordo com as regras do cronograma estabelecido pelo governo estadual, os primeiros a voltar seriam os integrantes da educação infantil,
crianças a partir dos 4 anos de idade.
Posteriormente, voltariam o ensino superior em 14 de setembro, e o médio e fundamental, em datas futuras.

O problema é que, o estado não dispõe de itens que garantam a volta as aulas, em meio a pandemia da Covid-19.
Uma grande discussão que se faz nesse momento, é que voltar as aulas em qualquer estado da Federação, seria condenar crianças, adolescentes e jovens, a uma contaminação
expressiva.
A preocupação maior é com as crianças especialmente, vulneráveis pela baixa imunidade e que na sua maioria de vezes, tem convívio direto com idosos,
outro grupo de risco nessa zona de contaminação.

O governador do RS, Eduardo Leite, destacou que a volta as aulas foi uma sugestão, mas que tudo depende das prefeituras e dos pais.
Enquanto isso, prefeitos municipais tentam convencer o governo a adiar esse retorno.
Nesta quarta-feira, 19,, uma reunião virtual entre o governo e prefeitos, terminou sem acordo.
A expectativa, é que fechem um novo pacto na semana que vem.
Uma nova reunião ocorrerá em 25 de agosto, na terça-feira.
O objetivo dela, será então, tentar convencer o governo mais uma vez dos riscos da volta as aulas.

Num levantamento feito pela Associação de Municípios do RS, demonstra que mais de 70% dos prefeitos são contrários a medida de volta as aulas nesse momento.
A rede estadual de ensino, deve voltar em 31 de agosto, o que pressionaria outros níveis de educação fazer o mesmo.
Para prefeitos, há grande risco de contaminação, mas não haveria nem um prejuízo se as aulas fossem adiadas seu retorno.

O Rio Grande do Sul, não é o único com projeto precoce de regresso presencial das atividades escolares.
O Rio de Janeiro autorizou nesta quarta, que as aulas voltem no estado a partir de 14 de setembro.
São Paulo foi um pouco mais além, e permitiu o retorno a partir do dia 8 do mês que vem.
No caso do estado paulista, o governo pode rever essa estratégia,
a alta taxa de contaminação do estado, pode fazer essa data ser adiada pelo menos até outubro.