Tragédia em Beirute – Número de mortos em explosão no Líbano sobe para 135

Por Guilherme Kalel e Mariana Monary

Informe Franca – 04/08/2020 | 16h48

Atualizado – 05/08/2020 | 18h44

As autoridades do Líbano confirmaram nesta quarta-feira, 5 de agosto, que subiu para 135 pessoas o total de mortos na explosão em Beirute, ocorrida na terça-feira, 4.
Pela manhã, a Cruz Vermelha já havia atualizado os números de 78, para 100 pessoas mortas.
A tarde, as autoridades do país fizeram a recontagem, e também acrescentaram novos feridos.
São de acordo com os dados do governo, 135 mortos, 5 mil pessoas feridas e 300 mil pessoas que ficaram desabrigadas.

A explosão, que aconteceu num armazém do Porto de Beirute, que continha Nitrato de Amônia armazenado irregularmente, deixou um cenário de guerra no país.
Ao longo de toda a quarta-feira, equipes de resgate trabalharam nos escombros de prédios, casas, escritórios e do Porto, que também foi totalmente destruído, para tentar
localizar mortos e possíveis sobreviventes.
Os hospitais receberam ao longo do dia, mais e mais feridos por causa dos impactos e continuam superlotados.

Até agora se sabe que, o armazém continha 2750 toneladas de uma substância altamente inflamável chamada de Nitrato de Amônia.
O produto estava no local, desde 2014, relatórios divulgados hoje, revelam que as autoridades do governo já sabiam do problema e nada fizeram.
Por isso, há pessoas que culpam o governo do país do acidente, o que tem aumentado o clima de tensão nas ruas.

O Líbano passa por uma forte crise na política, que teve diversos momentos mais críticos ao longo dos últimos anos,
e esse foi apenas mais um ponto nessa disputa incerta.
Por enquanto, as autoridades seguem descartando a hipótese de um ataque terrorista.
Os investigadores apontam que houve um incendio mas não explicam ainda o que provocou de fato a explosão.
Especialistas ouvidos pelo Informe Franca relataram que, o material não entraria em combustão se não tivesse um fator externo.
Isso quer dizer que, um curto ou alguma ação manual, pode ter sim provocado a explosão.
Mas ainda é cedo para tirar qualquer conclusão a respeito disso, que está sendo apurado.

Hoje, autoridades de todo o mundo se reuniram para prestar apoio ao Líbano, e oferecer ajuda de logística, itens de suprimentos médicos para atender a feridos, e para questões de inteligência que possam descobrir o que de fato ocorreu no Porto.
O Presidente do Líbano, Michel Aoun, prometeu na terça-feira que em até 5 dias, daria uma resposta inicial sobre o acidente.
E disse ainda que as vítimas da tragédia, teriam uma indenização custeada pelo governo.
O valor não foi revelado.

Apesar dos números de 135 mortos e 5 mil feridos serem grandes e ruins, as autoridades não acreditam ser os finais da tragédia.
Mais feridos e mortos, devem surgir nos próximos dias.
Não há um prazo para que se encerre os resgates,
ainda há muitos cidadãos considerados desaparecidos pelas autoridades.
A todo momento, parentes chegam no local da explosão, e falam com equipes de triagem para dar nomes de pessoas que desapareceram.
Assim, o governo espera construir uma base sólida de dados, de quem estava na área, quem apareceu, e quem ainda segue desaparecido.