Auxilio Emergencial – Entenda procedimento que deve ser adotado por quem teve Caixa Tem bloqueado

Por Nathália Valle

Informe Franca – 23/07/2020 | 12h21

A Caixa Econômica Federal, já bloqueou desde a terça-feira, 21 de julho, mais de 1,3 milhões de contas que receberam o Auxilio Emergencial.
As contas digitais foram bloqueadas por dois diferentes motivos e cada um deles, pede um desbloqueio a modo diferente.

No primeiro caso, representando 51% dos bloqueios, os acessos foram travados porque há indícios de fraudes no benefício.
São pessoas que receberam indevidamente sem ter o direito,
ou aqueles que, foram vítimas de Hackers, que usaram CPFs para criar contas no Caixa Tem e desviar os recursos.
Nestes casos, as pessoas terão de procurar uma agencia da Caixa, levando a sua documentação.
CPF, RG, comprovante de endereço, para que volte a ter acesso ao Aplicativo.
É importante salientar aqui que, se a pessoa nasceu em outubro, ela não deve procurar a agencia hoje.
O Presidente da Caixa destaca que a medida, é para evitar aglomeração de pessoas.
Por isso as agencias irão atender, pela ordem do aniversário.
Quem faz aniversário em outubro, procura a agencia na época de seu saque.
Pois então o Aplicativo será liberado diretamente pelo banco, se não ficar nem uma pendência para trás.
Nesses casos a liberação é imediata.
E o benefício pode inclusive já ser pago.
Quem não tiver celular, pode procurar o banco na mesma data do saque, e fazer o mesmo mediante a um código que receber.
Para as pessoas que estão nessa situação, ao acessar o Caixa Tem, aparecerá a mensagem de inconsistência ou ameaça de fraude,
explicando porque o benefício foi bloqueado.
Nem uma operação estará liberada no APP, enquanto a pessoa não comparecer a agencia, provar quem é e que tem direito, para reacesso.

Outro caso que ocorreu, 49% das pessoas bloqueadas,
é que as contas foram pegas numa reanálise de rotina.
E é preciso verificar a autenticidade dessas contas, das pessoas que estão recebendo, e conferir se o benefício é pago devidamente.
Essas pessoas ao acessar o Caixa Tem, verão uma mensagem de bloqueio, pedindo que seja enviada uma documentação Online.
Quando for esta mensagem a aparecer, não é necessário ir ao banco, pois as agencias não resolverão o problema.
Basta o beneficiário seguir o passo a passo, enviar seus documentos como se pede, Online.
A análise leva 24h, e se estiver tudo certo o acesso é liberado automaticamente.

Nos casos em que, os dados continuarem inconsistentes ou se verificar que a pessoa não tem direito,
o pagamento será suspenso.
Aí sim, a Caixa deve tomar as medidas cabíveis contra o receptor do benefício se for o caso, explica o banco.

Isso inclue, enviar os dados para o governo federal, que os encaminhará a Justiça.
Quem recebe o benefício indevidamente, comete crimes e será processado por eles, além de ter que devolver os valores, acrescidos de juros, multas e outras taxas.

Cerca de R$ 83 Milhões pagos do Auxilio Emergencial, foram devolvidos por pessoas que receberam indevidamente o Voucher.
Mesmo que tenham devolvido, essas pessoas responderão a processo judicial, e serão as primeiras a prestar contas.

O Coronavoucher é um benefício criado pelo governo federal, no valor de R$ 600,00, e que para mães solteiras pode chegar a R$ 1200,00.
Pago para trabalhadores informais, receptores do Bolsa Família ou pessoas cadastradas no Cadastro Único do governo, sem outro programa de distribuição de renda.
Desempregados, autônomos e Micro Empreendedores Individuais, também tem direito e acesso ao Voucher, desde que cumpram alguns requisitos adicionais.