Prefeitura de Franca cria protocolo para tratar casos de Coronavírus com medicamentos proibidos e sem eficácia comprovada

Por Guilherme Kalel

Informe Franca – 22/07/2020 | 11h14

A Prefeitura de Franca começou nesta semana, a prescrever um novo protocolo de tratamento precoce para pessoas que tenham sintomas leves ou confirmados da Covid-19.
Trata-se do uso das medicações Ivermectina e Cloroquina.
A primeira, um remédio para vermes, que foi testada e não teve eficácia comprovada, no combate a doença.
A segunda, uma medicação usada para artrite, que tem inúmeros efeitos colaterais, inclusive cardiológicos, e que teve a continuidade dos testes desestimulada pelas entidades
médicas não só do Brasil, mas sim do mundo.
De qualquer forma, em Franca, a Prefeitura pretende usar, e já prescreve os medicamentos, para pacientes no Pronto Socorro Municipal.

O Coordenador para o enfrentamento ao Coronavírus, da Secretaria de Saúde, Luiz Carlos Vergara,
disse na segunda-feira, em entrevista a um canal de TV, que o protocolo deveria ser implementado em Franca até a quinta-feira, 23 de julho.
Mas, na terça, voltou atrás e disse que o protocolo está sendo estudado.
Contudo, o Prefeito Gilson de Souza, foi o idealizador da proposta.

O protocolo nasceu de uma vontade dele, em tratar os pacientes com a combinação de drogas.
De acordo com Vergara, foi montado um grupo de estudos com pessoas que defendem ou criticam o uso das medicações, para as diferentes opiniões serem ouvidas.
Pelo que parece, a vontade do Prefeito foi o que prevaleceu.

Até a manhã desta quarta-feira, 22, Franca tinha 880 casos de Covid-19 em confirmação, e outros 20 óbitos registrados.
Os números que crescem a cada dia, são resultado de uma baixa taxa de isolamento social, e da fraca política de enfrentamento a doença por parte do Prefeito.
Que, tem deixado a cidade sem administração adequada no tocante a Covid-19.