Franca tem mais duas vítimas fatais e contabiliza 12 óbitos por Coronavírus

Por Guilherme Kalel

Informe Franca – 05/07/2020 | 12h48

A cidade de Franca amanheceu neste domingo, 5 de julho, com mais uma triste e terrível notícia.
Não é somente a falta de leitos que se tornou assunto nas rodas de conversas ou nos grupos de Whatsapp.
Franca também contabiliza, 12 óbitos provocados pelo novo Coronavírus.
A Covid-19, popularmente conhecida como “Só uma gripe”, do Presidente Jair Bolsonaro, de apoiadores, do governador do Distrito Federal e de alguma parcela de políticos e
membros de partidos na própria Franca do Imperador.

Dessas 12 mortes que a cidade contabiliza, duas foram registradas só nas últimas horas.
Um homem de 47 anos de idade e um outro de 67, são as vítimas.
Que faleceram nesta madrugada de domingo, no Hospital do Coração.
Responsável por receber pacientes do SUS, para atendimento da Covid-19.
Ambos estavam entubados e na UTI, depois de terem complicações relacionadas a doença.
O homem de 47 anos, tornou-se a mais jovem vítima atingida fatalmente pela Covid-19 em Franca.
Além do Coronavírus, ele tinha outros problemas de saúde que certamente, ampliaram os efeitos da doença.

Mesmo com essas duas mortes registradas hoje, Franca ainda está em alerta.
Não há um só leito de UTI que possa receber pacientes de Covidd-19 no complexo Santa Casa.
As 17 unidades adultas destinadas a este fim, estão ocupadas.
E não existe um plano emergencial de contingenciamento que possa ser colocado em prática.
O Prefeito de Franca, Gilson de Souza, permanece desaparecido.
Não prestou nem uma palavra a respeito das agora 12 vítimas mortas,
não falou sobre a falta de leitos e o que pretende fazer para tentar resolver a questão ou solucionar partes do problema.
Porque isso, falta de leitos, não é uma coisa que se resolve assim, do dia para a noite, leva tempo.
O Prefeito ao contrário, está preocupado em reabrir igrejas, templos religiosos e o comercio.
Quando deveria se preocupar mais com a vida das pessoas, essas 12 vítimas que o digam.
Agora já não podem mais dizer.