Exclusivo – Caixa não divulga calendário de pagamentos para beneficiários do Auxilio Emergencial e governo fala em parcelas só em julho

Por Ester Marini e Lara Weterman

Informe Franca – Brasília 23/06/2020 | 7h

O governo federal, tem pago desde 17 de junho, a 3ª parcela do Auxilio Emergencial para aqueles que recebem o Bolsa Família.
O Voucher, no valor de R$ 600,00 foi substitutivo ao programa por 3 meses, e a última parcela iniciou seu pagamento em 17 de junho e seguirá até o dia 30.
O pagamento respeita a ordem do Número Social de cada receptor do programa, por isso, esses pagamentos fracionados.

Mas, não é somente quem recebe o Bolsa Família que precisa ou espera pelo pagamento do Auxilio Emergencial.
Trabalhadores informais e pessoas inscritas no Cadastro Único, mas que não tem programa de distribuição de renda, também tiveram acesso ao benefício,
assim como trabalhadores inscritos no MEI, e desempregados, desde que cumprissem as exigências do programa.
Mas para essas pessoas, não há ainda um calendário de pagamentos.

Inicialmente a Caixa havia divulgado a informação, que o calendário seria liberado em 15 de junho.
O prazo foi prorrogado para o dia 18 de junho, e depois para o dia 22.
Mas, hoje é 23 de junho, e o pagamento ainda não teve sua lista divulgada.
O banco estatal, ainda não terminou de fazer o cronograma daqueles que receberão o Voucher.
E a Dataprev, responsável por analisar os cadastros, não fez a rechecagem necessária para liberar os pagamentos.
Com isso, fontes próximas ao governo revelaram ao Informe Franca, que é possível que esses pagamentos comecem a ocorrer, somente em julho.
Depois que o Bolsa Família for quitado.

Neste cenário, a Caixa divulgaria o calendário de pagamentos, entre os dias 29 e 30 de junho, somente na semana que vem.
Receberiam primeiro, a 3ª parcela do benefício, aqueles que receberam a 1ª parcela até 30 de abril.
Depois seria paga a 2ª parcela, aos que foram aprovados em maio, e receberam a 1ª do Voucher, entre o final daquele mês e começo de junho.
Por fim, receberiam aqueles que foram aprovados em junho, e que até agora receberam a 1ª parcela somente.

Mas, nesses casos as ordens seriam fracionadas e por data de aniversário.
Os receptores de abril, receberiam no começo de julho, os de maio, na segunda metade do mês,
e quem recebeu o Voucher em junho, só teria acesso a sua 2ª parcela em agosto.

Resta, que o governo confirme oficialmente o calendário deste modo, e especifique os dias de pagamentos.
Mas por hora, ainda não se tem uma data para essa confirmação.
O que vem sendo discutido dentro do governo federal, é a prorrogação do Coronavoucher.
O governo federal aceita prorrogar por mais 2 meses, desde que o valor seja reduzido,
o que precisaria do aval do Congresso em uma nova lei aprovada.
Mas, deputados e senadores são reticentes e querem que o valor de R$ 600,00 seja mantido.
O Presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda, 22, que o governo não tem condições de bancar esse Voucher nesse valor, mais tempo.
E que se fosse para prorroga-lo, o Congresso precisaria aprovar a nova lei.
Caso nem uma das duas partes concorde com um meio termo, o Auxilio Emergencial pode não ser prorrogado.

O benefício já pagou, 63,5 milhões de brasileiros.
E se transformou em um dos maiores programas de distribuição de renda do mundo.
Contudo, apresenta problemas pontuais, que podem indicar mais de 8 milhões de pagamentos irregulares,
são pessoas que fraudaram o sistema, para que recebessem ilegalmente e que podem responder a processo judicial pela transgressão.