Maia sugere corte em salários para bancar Auxilio Emergencial

Por Carolina Winter

Informe Franca – Porto Alegre 09/06/2020 | 19h43

O Presidente da Câmara Rodrigo Maia, defendeu hoje, 9 de junho, que o Auxilio Emergencial seja prorrogado por mais um período.
Para Maia o ideal é que o benefício tivesse mantido o valor de R$ 600,00, já previsto em lei aprovada pelo Congresso em abril.
Maia disse que se os membros dos três poderes topassem fazer um corte em seus salários, compensaria muito na arrecadação de recursos.
Os cortes não seriam suficiente para bancar todo o programa, mas representariam um número considerável de recursos.

A declaração veio, no mesmo dia em que o Presidente Jair Bolsonaro, disse que muitas pessoas querem prorrogar o benefício,
e que ele aceitava prorrogar, se os Parlamentares fizessem cortes nos seus salários para banca-lo.
A resposta de Maia, deixa o debate ainda mais aceso.
O Benefício de Auxilio Emergencial foi criado para atender a população de baixa renda e trabalhadores informais, afetados pelo Coronavírus.
O benefício, paga um valor de R$ 600,00 em 3 parcelas e pode ser prorrogável.
Mas para mudar o valor, o projeto teria de voltar ao Congresso e a alteração ser aprovada.
Maia disse que isso pode acontecer, se houver comprometimento por parte do governo.

A ideia aventada pelo Presidente da Câmara, também pode ser colocada em prática.
Um corte no salário dos servidores, dos próprios parlamentares e de membros do poder judiciário.
Não foi calculado ainda para se saber, o quanto esse corte poderia significar em números.

O benefício emergencial, já pagou 59,2 milhões de pessoas.
Cada parcela, custou R$ 45 Bilhões aos cofres públicos.