Poesias e Reflexões – O que diz uma criança de 11 anos ao perder a mãe

Poesias e Reflexões – O que diz uma criança de 11 anos ao perder a mãe
Por Jornalista Guilherme Kalel

Informe Franca – 07/06/2020 | 9h52

Neste domingo, 7 de junho, tomo a liberdade de publicar neste espaço um texto que não é meu.
Mas que recebi a autorização para que pudesse publicar de maneira óbvia.
Lendo ele, vocês poderão entender um pouco mais, o que o Coronavírus faz com as pessoas.
Não somente aos infectados mas aos seus familiares.
Especialmente quando perdem seus entes queridos, para a doença.
O texto a seguir, é escrito por Ana Clara Bueno.
Menina de apenas 11 anos de idade apesar de não parecer pelas palavras que usa.
O material não sofreu qualquer edição, e expressa exatamente a dor, de uma criança ao perder sua mãe.
Leiam todos, especialmente o Presidente Jair Bolsonaro.

Hoje fazem 7 dias.
7 dias que eu acordo sem ter a tua presença,
7 dias que o meu coração chora, sangra, pela sua ausência.
7 dias que eu não sei para onde correr, quando acordo desesperada no meio da noite,
estou sozinha e você não está mais na sua cama,
7 dias em que não canso de repetir o quanto te amo, mas não tenho mais a tua voz a me falar o quanto me ama.

Sabe mãe, dizem que nem uma mãe deve enterrar um filho, a dor é incomparável,
mas, os filhos também não deveriam perder os pais, não tão cedo, porque essa ferida é inigualável.
É uma ferida tão doída, parece nunca fechar,
como uma úlcera que aumenta a cada dia, o buraco parece não se tampar.

7 dias se passaram, e mais vão se passar,
As pessoas seguem com a vida, e eu sei que também preciso continuar.
Mas tudo que eu tenho feito nesses 7 dias, é lutar para descobrir um jeito de administrar toda essa dor,
relembrar de você, relembrar como era sentir o teu amor.
Sinto falta, tanta falta,
das coisas que não vão mais voltar,
da tua palavra, sempre sabia o que me falar.

7 dias que um silêncio ecoa dentro de mim,
meu tablet é o meu melhor amigo,
escrevo pensando em ti,
sozinha a noite guardo aquele vestido,
abraço contra meu peito, durmo com ele colado comigo.

Olho o Jornal,
vem um sem noção qualquer a dizer,
que o vírus é uma gripe passageira,
que ninguém tem que se proteger.
Vejo essas coisas e sinto tanta falta do que poderia me dizer,
mas fazem 7 dias, 7 dias mamãe, que eu estou sem você.
Por culpa desse vírus, maldito Coronavírus,
que tantas famílias vem destroçar,
enquanto o Presidente da República do Brasil, tenta seus eleitores enganar,
“matou, e daí? Não posso fazer nada”,
entre outras coisas sem noção,
gostaria muito de saber Sr. Presidente,
E se fosse o seu coração?
Que sangrasse aqui como o meu, por perder quem mais ama,
por não ter quem mais lhe ampare no colo, quando fosse correr da cama.
Espero que não seja preciso,
o Sr. passar por isso,
Porque aí vai entender a dor que hoje sinto,
ao me ver obrigada a gritar, dizer, escrever,
esperando que minha mãe possa ouvir,
o quanto é doloroso estar 7 dias longe de você.
*Autoria Ana Clara Bueno