Depois de falta de leitos e equipamentos de proteção, desafio é manter pacientes vivos com remédios no limite

Por Mariana Monary

Informe Franca – 16/06/2020 | 7h

Depois do Brasil expor uma crise na saúde, por conta da falta de equipamento de proteção para profissionais que atendem pacientes de Covid-19,
e de haver nova crise pela falta de leitos a atender pessoas infectadas pela doença, uma nova surge agora.
E pode ameaçar a sobrevivência de pessoas que estão hospitalizadas por conta do novo Coronavírus.
O problema é a falta de medicação, usada na entubação de pacientes graves.

Esses pacientes estariam ficando sem, e muitas pessoas morreram, porque não há nos hospitais medicações suficientes para atender a demanda.
Os medicamentos usados na entubação para manter pacientes sedados, está em falta.
Por alta do Dólar, pela escassez da matéria prima, o fato é que os hospitais não tem um estoque muito longo.
Especialmente aqueles que estão em regiões mais afastadas, já enfrentam desde maio o problema.

No dia 14 do mês passado, o Conselho Nacional de Secretarias de Saúde estaduais, pediram ajuda ao Ministério da Saúde para negociação e compra dessas medicações com
fornecedores.
Hoje, estados e municípios precisam fazer as compras.
Mas o Conselho acredita, que se houvesse um empenho do governo federal, as compras poderiam ser fechadas mais rapidamente.
O ofício enviado não foi respondido e o Conselho encaminhou um novo pedido em 29 de maio.
A Pasta prometeu auxiliar, mas até hoje, nada foi feito.
Os integrantes do Conselho destacam que não estão pedindo pro governo federal comprar as medicações, mas sim a intervenção para garantir que os estados e municípios, consigam compra-la.
Enquanto o impasse se segue, aumentam as mortes e a lista, dos medicamentos faltantes para os portadores de Covid-19.