Auxilio Emergencial – TCU identifica 8,1 milhões que receberam Voucher de maneira indevida

Outros 2,3 milhões foram excluídos do programa mesmo tendo direitos ao benefício

Por Gabrielle Straus

Informe Franca – Brasília 03/06/2020 | 8h

O Tribunal de Contas da União, acompanha de perto a distribuição do Auxilio Emergencial do governo
pago a trabalhadores informais no valor de R$ 600,00, que ficaram sem renda na quarentena.
O benefício, está sendo alvo de questionamentos, por conta do modelo adotado para a concessão e pagamento.
De acordo com dados analisados pelo TCU, 53 milhões de brasileiros deveriam receber o programa.
Mas, o governo já o pagou para 59,2 milhões de pessoas.
Também, os dados mostram que 21,3 milhões de brasileiros teriam as condições para se inscrever e receber o Voucher através do site ou aplicativo da Caixa.
Mas, o total de inscritos por este canal foi de 30 milhões.
Outro dado inconsistente, é que 9,9 milhões de mulheres se cadastraram como chefe de família, e recebem o benefício duas vezes.
Mas, só 3 milhões teriam direito em acessar o Voucher duplo.
E por fim, outro dado preocupante informa, que 13 milhões de pessoas estão nas bases do Cadastro Único do governo e teriam de ter acesso ao benefício.
Mas, só 11,7 milhões dessas pessoas acessaram o programa.

No final o relatório apresentado pelo TCU e que terá uma votação ainda esta semana, mostra que 8 milhões de brasileiros receberam o Voucher de maneira irregular.
Sem direito ao programa, o que gerou um pagamento extra de R$ 3 Bilhões em cada parcela.
Outros 2,3 milhões de pessoas, que tem direito ao benefício, ficaram sem o receber por outro lado.

O TCU, deve fazer recomendações ao governo para que os critérios de elegibilidade do programa, sejam reavaliados.
E que todos os cadastros já feitos sejam reanalisados.
A ideia é conseguir informações, que comprovem que parte dessas pessoas que acessaram ao Voucher, o fizeram de forma irregular.
E por isso terão de devolver os recursos, cabendo ainda serem processadas por fraude.
Outra possível recomendação, é que o governo suspenda os pagamentos, até que todos os cadastros sejam reanalisados.