Aras se manifesta contrário a apreensão de celular de Bolsonaro e Heleno fala em defender atuação de poderes

Por Mariana Straus

Informe Franca – Brasília 28/05/2020 | 11h

O Procurador-Geral da República, Algusto Aras, se manifestou nesta quinta-feira, 28, contrário a um pedido para apreender o celular do Presidente Jair Bolsonaro.
O pedido foi feito em uma ação no STF por 3 partidos políticos.
Os partidos queriam a apreensão do telefone do Presidente, para se verificar provas de que ele teria cometido atos ilícitos nos últimos meses.
O Ministro do STF, Celso de Mello, que relata investigações contra Bolsonaro, pediu que a PGR se manifestasse sobre o pedido.
Um praste legal e comum, mas que transformou a situação numa guerra.
Apoiadores do Presidente começaram a disseminar a informação de que, Mello determinou a apreensão do celular do Presidente.
O que de fato não ocorreu.

Na sua manifestação, Aras aponta que não existem evidências que indiquem crimes, ou a necessidade de se apreender o celular da maior autoridade Executiva do país.
Agora, o Ministro deve analisar e tomar uma decisão final sobre o pedido.

O fato é que, o clima entre governo e STF está tenso, desde o final da semana passada.
quando o mesmo Ministro Celso de Mello, divulgou um vídeo da reunião interministerial de 22 de abril.
Onde o Presidente e sua equipe, aparecem em conversas nada republicanas.

Nesta semana o clima piorou, depois que Alexandre de Moraes, determinou uma operação que atingiu em cheio, 29 membros de Bolsonaro.
Nesta manhã de quinta-feira, Bolsonaro foi categórico ao afirmar, que o dia de ontem nunca mais ia se repetir.
O Presidente defendeu a liberdade de expressão das pessoas e se disse por no lugar daqueles que tiveram suas propriedades invadidas pela PF na manhã de ontem.
O Presidente, ao mesmo tempo que defende a liberdade de expressão, dispara críticas a Jornalistas.
Não respondeu a perguntas e como de praste, mandou membros da imprensa calarem a boca nesta quinta pela manhã.
Depois de dizer o que queria falar, o Presidente deixou o Alvorada seguindo para o Planalto.

O Ministro do Gabinete de Segurança Institucional Algusto Heleno, é quem parece agora tentar apaziguar um pouco a situação.
Jornalistas que estavam sendo agredidos fisicamente no exercício de seu trabalho, tiveram a garantia de Heleno que isso não vai mais acontecer.
O General, disse que os profissionais da imprensa precisam fazer o seu trabalho, e que os manifestantes e apoiadores do Presidente podem estar nas sedes do governo.
Mas ambos precisam se respeitar, e ele não permitiria mais agressões.

Ao longo das duas últimas semanas, Jornalistas foram agredidos e hostilizados por apoiadores do Presidente.

Heleno também falou sobre a crise institucional.
Negou que o governo discuta uma intervenção Militar, que nas suas palavras não é o caminho.
E disse que os poderes precisam se ater, a onde podem ir e onde se extrapolam.

Para apoiadores de Bolsonaro é exatamente que aconteceu com o STF.
Os Ministros extrapolaram suas atribuições, nas ações contra o Presidente e seus apoiadores.

Ontem, o Ministro da Justiça, atuando como advogado do governo, pediu ao STF uma suspensão do depoimento de Abraham Weintraub.
O governo não quer que o Ministro da Educação preste depoimento a PF, em até 4 dias agora.